segunda-feira, 18 de junho de 2007

Amigo é para essas coisas

Ferrado e sem grana, Fred estava em uma sinuca de bico, num beco sem
saída, numa encruzilhada ou alugava uma roupa descolada para ir ao
baile, em espanhol El Baile!, que aconteceria no sábado ou pagava a
conta de luz. Parece uma escolha óbvia que ele deveria pagar a conta de
luz, mas no baile, em espanhol El Baile, estaria a Ritinha. Ela era a
garota mais linda de toda escola, o que tem uma coisa com outra? Sim
claro, tem que a ruivinha do cabelo curto (Ritinha) tinha dado um mole
danado para Fred, praticamente convidando-o para o baile, em espanhol El
Baile.
Aquela foi a sexta feira mais indecisa que Fred já viveu, para ajudar
ele tinha um trabalho complicadíssimo de mecânica dos fluídos para
entregar na segunda. Não bastasse o trabalho de mecânica dos fluidos,
tinha jogo do Mengão no domingo. Decisão da Taça Guanabara contra o
Vasco. Vendo por esse ângulo ele poderia muito bem pagar a conta de luz,
fazer o trabalho e assistir o Mengão aniquilar o bacalhau no domingo.
Sexta feira, hora do almoço, Fred está aflito na fila do banco para
pagar a conta de luz. Passou a manhã toda pensando no que fazer e
decidiu que não iria ao baile, em espanhol El Baile, e nem assistiria a
decisão da Taça Guanabara. Prometeu para ele mesmo que já que não iria
com a Ritinha ao baile, em espanhol El Baile, também não assistiria ao
jogo e ficaria fazendo o trabalho, já que mecânica dos fluídos não é uma
coisa fácil de se fazer.
Porém com a vida, não só para Josef Climber, é uma caixinha de surpresas
quase na vez de Fred ser atendido homens armados entram na agência e dão
voz de assalto.
-Todo mundo mãos ao alto, é um assalto!- foi o grito que rompeu a cara
de silêncio de todos que estavam no banco naquele momento. Fred nem
pensou duas vezes e levantou as mãos como todos os clientes e
funcionários do banco faziam, segurando nas mãos a conta e o dinheiro.
Enquanto um dos bandidos gritava as ordens para os demais assaltantes,
rendia o segurança que nada pode fazer. Um dos bandidos vai recolhendo o
dinheiro dos caixas e outro o dinheiro dos clientes, e claro lá se foi a
grana da conta de luz.
Revoltado Fred pensa em argumentar com o líder dos assaltantes e...
- Ei Sr. Ladrão, me da um minutinho por favor.
- O que foi?
- Samuca!!!
- Fred! E ai meu irmão, quanto tempo?
- O Samuca alivia ai vai.
- Po cara, sabe como é né. Também queria estudar engenharia, mas não é
pra qualquer um!
E o assalto segue, com os amigos conversando, até que os comparsas do
Samuca terminaram de recolher o dinheiro todo, dos clientes e dos
caixas. Antes de sair o amigo-bandido olha para a conta de luz na mão de
Fred e devolve a grana dele. Agradecido mas não satisfeito ele chama
Samuca para uma última prosa.
- O Samucão velho de guerra, posso te perguntar uma coisa?
- Claro que sim, pelos velhos tempos.
- Por acaso você não tem uma grana para me emprestar ai?

Fim

2 comentários:

Fogo disse...

Reparei a admiração e por assim dizer, tesão, que o senhor tem por meninas ruivas...
...i tô começando a gostar!!!

Anônimo disse...

Viu só Kibe...agora todo mundo já esta percebendo...Beijos...