segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

O vírus do BBB

Em tempos de BBB, até o Gente & TV do Terra fica contaminado pelas ações do brotheres. Minhas tão engraçadas notícias (?) do tipo "Giovanna Antonelli almoça com amigos" são sistematicamente relegadas para segundo plano pela turma do Pedro Bial. Big Brother é uma praga instantânea e reincidente que infesta todos os cantos da internet brasileira. Em qualquer portal que você entre, os destaques são o paredão e a prova do líder. Isso é um absurdo.

Tudo bem que não se pode levar o Terra a sério, mas o BBB é tão imune a vacinas que até o site do Estadão, outrora tão respeitável, deixou-se empertigar com o vírus. O da Gazeta do Povo também. É um neurocídio! Estão paulatinamente aniquilando córtex cerebral dos brasileiros; até mesmo daqueles que procuram, em vão, notícias de verdade na internet.

Admito que nunca acompanhei um BBB. Nem o primeiro, que chegava com aquele status de novidade. Na época eu tinha lá meus 13 anos, e com certeza preferia ler uma bula de paracetamol a ficar na frente da TV observando 12 ratinhos de laboratório se degladiando na "casa mais famosa do Brasil". Alguns dirão que eu não posso falar mal de uma coisa que nem conheço, mas qual é o lado bom do BBB?

Para nós, homens, existem as mulheres. Sem nunca ter visto um "episódio" daquele Big Brother (que, lógico, não sei qual é), fiquei completamente apaixonado pela pescadora Mariana Felício. Ela era linda, simples e, principalmente, inteligente. Mas o BBB é tão ruim que quem é que fez sucesso pós-casa? As burras da Sabrina Sato – que pelo menos é engraçada – e Irislene Stefanelli.

Acho que o único Big Brother Brasil que gerou uma discussão séria foi aquele do tal Jean Willis. Até eu quis ver o momento que ele anunciou que era homossexual (que, convenhamos, nem precisava). Mas também durou pouco: era uma bicha tão chata que hoje deve estar cuidando de algum salão de beleza por esse Brasil. Ou sendo "editor-chefe" de algum programa vespertino de fofoca, afinal ele é jor-na-lis-ta.

O BBB até quando acerta, erra.

Um comentário:

Alexandre Fernandes disse...

Jor-na-lis-ta

Piada interna.