quinta-feira, 5 de julho de 2007

Cérebro inano

Cada vez mais passo a acreditar que o processo criativo depende mais dos astros do que da quantidade de cafeína em meu cérebro. Em semanas de lua cheia – e dias adjacentes – nada de produtivo surge dessa minha mente insana. Basta observar antigos posts: a cada quatro semanas as produções cessam ou caem vertiginosamente de qualidade. Não que eu esteja me gabando, mas é que em outras luas as coisas brotam com facilidade no papel.
Desde segunda venho trabalhando num projeto, a "Teoria GE". Prefiro não divulgar dados preliminares, mas garanto que é uma obra de cunho humanitário (porque, claro, trata de gente), científico (baseado em observações parapsicometodológicas) e, óbvio, de bem-estar social (ou seja, serve para fazer rir e nada mais que isso). Porém não consigo pensar em nada. Nenhuma idéia, nenhuma luz. Não consigo sequer descrever a camiseta do GE, uma coisa tão simples – normalmente amarela e com uma desbotada estampa azul de pássaro na altura do peito.
Espero que a proximidade da lua nova signifique a abertura de uma fenda entre os lados esquerdo e direito do meu cérebro – a quem chamo carinhosamente de Louis e Bernal, respectivamente. Que por essa fenda escoem todas as idéias brilhantes adormecidas em um canto de Louis, a fim de serem arduamente trabalhadas por Bernal até se tornarem algo concreto. É bom para mim, melhor para vocês.

P.S.: Como diria um velho sábio macalês, curiosamente nascido em Xiaopeng: "Quando tiveres dúvida entre os fios azul e vermelho nada faças pois retornarás ainda mais forte" . (Ele cria em reencarnação, mas a intrepretação é livre)

2 comentários:

Donha disse...

hoje é dia 10 e nada...
Adormecidos Loius e Bernal!
é verdade que o kibe está forajido?

Alexandre Fernandes disse...

Forajido? Eu?
Porra Donha!