sexta-feira, 13 de julho de 2007

Pedrada

“Atire a primeira pedra aquele que nunca pecou”. A velha máxima das mortes por apedrejamento.
Aí vem aquele gordão, pai de família e bigodudo que se diz o mais santo da praça. Talvez até seja, e ele atira a primeira pedra.
“Corajoso”, dirão alguns. Mas eu discordo: mais corajoso ainda é aquele que atira a segunda pedra.
É claro! Convenhamos, o segundo admitiu que é pecador. E se alguém do júri invoca com o rapaz e resolve que ele deve morrer também? Ora, é justo, afinal ele é pecador também.
Imagina a cena: vem o gordão, pai de família e bigodudo e joga uma pedra. Aí, claro, todo mundo se vira pra ele – fica aqueles três ou quatro segundos de delay – e um segundo moço, dessa vez magrelo, sem camisa e bronzeado (com um cigarrinho no canto da boca) taca outra pedra, bem maior e no meio da fuça da sirigaita. Outro delay e a matança segue.
Só que se pegam o cara porque ele pecou? Ia se muito engraçado.
A máxima tem que ser assim a partir de agora: “Atire a primeira pedra aquele que nunca pecou. Agora atire a segunda pedra aquele que for cabra macho da peste!”

Um comentário:

Alexandre Fernandes disse...

Mas sempre tem um filadumaquenga que se atreve!