sexta-feira, 18 de abril de 2008

Papiros, hieróglifos e penas

A forma mais interessante de se escrever é com a mão. Experimente! Cansa, mas é um exercício muito mais instintivo e performático do que com o mecânico teclado QWERTY. Cheguei a essa conclusão depois de tanto escrever no computador, até começar a odiá-lo. No PC tem essa tela entre você e o papel, e é como se ela te eximisse de muitas das culpas. Pelo menos inconscientemente.

Dois motivos me fizeram chegar a essa máxima. Explico-os: no computador é muito mais fácil errar e apagar. Só para ter uma idéia, já escrevi o primeiro parágrafo deste texto três vezes (e ainda não estou satisfeito). Acabou-se a aura, é a obra de arte na era da reprodutibilidade técnica. Hoje, para ser escritor, a virtude mais fundamental já não é mais a criatividade. É preciso ter paciência. Paciência para escrever, apagar, rescrever, apagar de novo, re-rescrever, e assim sucessivamente. Facilita aos perfeccionistas, porque para apagar tudo basta uma tecla. O computador te dá muito tempo para pensar e repensar no que escreve, e isso evita que o autor crie sentenças conclusivas.

A outra coisa juro que esqueci, e esse é um outro problema do computador que eu já nem considerava mais: há muita distração disponível num monitor só. Ainda mais para mim, que sei aproveitar como poucos as possibilidades de diversão e entretenimento que a internet oferece. Num textinho de meia hora qualquer (que é como mentalmente classifico essas crônicas sem conteúdo profundo e de estética desprezível), paro para jogar ou ler alguma coisa pelo menos umas três vezes. Sem falar na paradinha pro café, nos minutinho de conversa fiada, no tempo para pensar na morte da bezerra...

Agora lembrei. O outro motivo que me levou à conclusão de que escrever com a mão é melhor não é um problema do computador, e sim um mérito da dupla papel e caneta. Não se pode enxertar parênteses ou floreios no meio de uma escrita à mão, o que te faz pensar muito mais. No papel, as palavras não vão correndo para a direita conforme você coloca alguma coisa a mais no meio da frase. Só o Word faz isso. São as facilidades do mundo moderno. E isso acarreta que para pôr as idéias no papel, elas já precisam estar inteiramente formuladas no ser cérebro. Pelo menos as frases. Aqui, você escreve-apaga-escreve; lá, meu irmão, se for já era.

Um comentário:

lucas disse...

desse tipo de diversao que eu to falando meu chapa!

hahahahah
ateh esqueci que to na america e nao posso te convidar pra tomar uma gelada!