sexta-feira, 25 de julho de 2008

Maycon em crise: Lei Seca

Alguém além de mim percebeu que sumiram das ruas os policiais militares que faziam as vezes de guardas de trânsito? Há poucas semanas se tornou mais do que comum ver dois postes amarelo-Palmeiras em cada esquina do centro de Curitiba munidos de seus bloquinhos e dando multas a deus-dará. Onde será que eles foram parar? Na minha opinião estão cansados de tanto fazer blitz nas noites etílicas da Cidade Sorriso.

Outro dia, numa dessas blitzes, um amigo meu caiu nas garras da lei. Sabe-se lá por que fui o escolhido para receber a ligação a que todo detido tem direito:

- Maycon, meu camarada! Corre aqui na 21ª DP para me salvar.

- Mas o que é que aconteceu, ó desafortunado colega?

- Parei numa blitz, me recusei a fazer o teste e eles me prenderam.

- Você quer dizer que te levaram para a delegacia para fazer um teste sangüíneo, certo?

- Não, prenderam mesmo. Disseram que o fato de eu me negar a assoprar a maquininha caracterizava embriaguez. De nada adiantou eu reivindicar meus direitos de não produzir provas contra minha pessoa ou qualquer coisa do gênero.

- Mas você não estava bêbado, estava?

- Não estava nem estou. Aliás, só um doente ficaria bêbado às nove da noite de uma segunda-feira.

- De fato. Mas o que aconteceu?

- Eu estava voltando da casa da Leila; tive um jantar lá com os pais dela e tudo mais. Cara, não vou ficar me explicando agora; venha para cá logo! Não posso ficar enfurnado aqui a noite toda aqui sem ter culpa de nada.

- Mas por que raios você não fez o tal teste, já que não tinha bebido nada?

- Ora, me diz você porque eu teria que me rebaixar a isso? Minha palavra não é o suficiente para provar minha sobriedade? Digo... Porque eles dizerem que estou bêbado é válido e eu dizer que não estou não conta? Além do mais, eles falavam "estou vendo que você está bêbado, rapaz" e me impediam de qualquer defesa. Eu tinha que escutar e abaixar a cabeça. Se tentasse falar alguma coisa, era cacetada na barriga, nas pernas, nas costas. Me senti um marginal, um assaltante. Esses policiais são um bando de desgraçados. Mas e aí, vai vir ou não?

- Pois é, cara. Não posso agora! É que eu to completamente embriagado. Sabe como é, não tinha nada para fazer e estava passando uma comédia da boa na TV... Mas não se preocupe; pode deixar que eu aviso sua mãe que você está aí. Segura as pontas, guri.

Essa é a Lei Seca do Brasil. Parece a Santa Inquisição. Te acusam de bruxa: se você admitir será queimado; se não, vão te torturar até que admita.

2 comentários:

Jorge disse...

Hola amigo: quería invitarte que visites el blog que estoy realizando con mis alumnos de segundo año de la secundaria sobre LA DISCRIMINACIÓN.
http://nodiscrimine.blogspot.com
Tema arduo e interesante.
Seguro será de tu agrado.
Tu aporte será valioso
Un abrazo desde la Argentina.

- heldino - disse...

ohh ... conquistando o Mercosul !

Soh existe uma solução pra essa Lei Seca: pagarmos a auto-escola do Arantes !